CartaExpressa

‘Ser mulher em espaços de poder é sempre desafiador’, diz Serrano após demissão na Caixa

A servidora afirmou que não foi fácil ver seu nome na imprensa por meses, em meio à pressão do Centrão para derrubá-la

Maria Rita Serrano. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Demitida nesta semana do comando da Caixa Econômica Federal pelo presidente Lula (PT), Rita Serrano defendeu nesta quinta-feira 26 o seu legado na instituição. Ela também disse que “ser mulher em espaços de poder é algo sempre desafiador” e que não foi fácil ver seu nome exposto na imprensa por meses, em meio à pressão do Centrão para derrubá-la.

“Espero deixar como legado a mensagem de que é preciso enfrentar a misoginia, de que é possível uma empregada de carreira ser presidente de um grande banco e entregar resultados, de que é possível ter um banco público eficiente e íntegro, de que é necessário e urgente pensar em outra forma de fazer política e ter relações humanizadas no trabalho”, disse Serrano, em mensagem publicada nas redes sociais.

Ela declarou que a transição para a nova chefia do banco ocorrerá “nos próximos dias”. O escolhido para substituir Rita Serrano é o economista Carlos Antônio Vieira Fernandes, indicado pelo Centrão. Aliado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), Vieira é servidor público desde 1982 e funcionário de carreira da Caixa.

Ele foi secretário-executivo do Ministério das Cidades na gestão de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), durante o primeiro governo de Dilma Rousseff (PT). Também também presidiu a Funcef, o fundo de pensão dos funcionários da Caixa, entre 2016 e 2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar