CartaExpressa

Senador bolsonarista ligou para diretora de empresa envolvida em escândalo das vacinas

Celular de Emanuela Medrades, da Precisa Medicamentos, tem registros de ligações de Luis Carlos Heinz cinco dias após da criação da CPI

Foto: Edillson Rodrigues/Agencia Senado
Apoie Siga-nos no

O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), um dos maiores defensores do governo federal na CPI da Covid, ligou ao menos quatro vezes para Emanuela Medrades,  diretora da Precisa Medicamentos. A informação é da Folha de S.Paulo.

De acordo com o jornal, Emanuela teria sido procurada antes do escândalo envolvendo o contrato de 1,61 bilhão de reais para a compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin.

As ligações do parlamentar foram feitas no dia 18 de abril, cinco dias depois da CPI ter sido criado. A instalação só ocorreu em 27 de abril, nove dias após as ligações para a diretora da Precisa Medicamentos.

O senador assumiu uma vaga titular na CPI da Covid, com a nomeação de Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil do governo Jair Bolsonaro.

O celular da diretora também registra oito chamadas de um telefone usado por um capitão-de-mar-e-guerra com cargo de gerência no Ministério da Defesa.

As ligações do celular usado pelo militar foram feitas em 22 e 23 de julho de 2020. Segundo fontes ouvidas pela publicação,  a secretaria onde ele atua fez prospecções por insumos como seringas, agulhas e testes.

As informações dos registros estão no relatório da quebra do sigilo telefônico da diretora da Precisa, determinada pela CPI.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.