CartaExpressa

Sanções ameaçam provocar ‘choque global’ de oferta de petróleo

O alerta foi feito pela Agência Internacional de Energia

Apoie Siga-nos no

A interrupção em larga escala da produção russa de petróleo tende a provocar “um choque global de oferta” do produto, alerta a Agência Internacional de Energia. Segundo relatório da AIE, 3 milhões de barris por dia deixariam de ser produzidos caso as sanções contra a Rússia se mantenham ou aumentem e se os compradores tradicionais continuarem a recusar as exportações.

“A Opep+ está, por enquanto, cumprindo o acordo de aumentar a oferta, mas em quantias modestas”, descreve o texto. “Apenas a Arábia Saudita e os Emirados Árabes possuem capacidade ociosa substancial que poderia compensar o déficit russo”.

A agência reduziu em 1,3 milhão de barris por dia a demanda global de petróleo neste ano e projeta uma depressão “considerável” no crescimento da economia do planeta. Seria, diz a AIE, a maior crise de fornecimento em décadas. “As implicações de uma perda potencial de exportações de petróleo russo para os mercados do mundo não podem ser subestimadas”, acrescenta o relatório. “A Rússia é o maior exportador de petróleo do mundo. Envia 8 milhões de barris dia de produtos petrolíferos brutos e refinados para clientes em todas as partes”.

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar