CartaExpressa

Robinho será julgado em 2ª instância por caso de estupro coletivo

Robinho será julgado em 2ª instância por caso de estupro coletivo

Jogador Robinho (Foto: Rafael Ribeiro/ CBF)

Jogador Robinho (Foto: Rafael Ribeiro/ CBF)

O jogador Robinho retornará ao banco dos réus na quinta-feira 10, data de seu julgamento em segunda instância pelo suposto envolvimento em um caso de estupro coletivo. A sessão está marcada para as 8h, horário de Brasília.

 

 

Na audiência, o procurador destacado para a fase de apelação vai encaminhar ao tribunal suas conclusões sobre o caso, que serão analisadas por três juízes. Na sequência, os magistrados decidirão se aceitam ou não as argumentações da defesa.

As investigações apontam que Robinho e cinco amigos estupraram uma jovem albanesa em um camarim da boate milanesa Sio Café, onde ela comemorava seu aniversário. O episódio aconteceu em 22 de janeiro de 2013, quando o atleta defendia o Milan. Robinho foi condenado em primeira instância pela Justiça Italiana, em 2017, a nove anos de prisão. O jogador afirma que manteve relação consensual com a jovem. A albanesa, hoje com 30 anos, deve comparecer à audiência.

Independentemente do resultado do julgamento, Robinho continuará em liberdade, já que as duas partes envolvidas ainda podem recorrer ao julgamento em terceiro grau, que pode levar alguns meses para ocorrer. As fases de apelação só se esgotam quando um caso chega à Corte de Cassação.

 

 

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem