CartaExpressa

Receita diz que restringirá acesso de servidores após devassa contra desafetos de Bolsonaro

O órgão informou que exigirá ‘motivação adequada e detalhada’ para consulta de dados dos contribuintes

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Receita Federal anunciou, nesta sexta-feira 3, novas medidas de segurança em resposta à devassa no Fisco, em 2019, contra desafetos do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Na quinta-feira 2, a Polícia Federal abriu uma investigação sobre o caso, revelado pela Folha de S.Paulo.

Documentos apontaram que o chefe de inteligência do órgão no início da gestão Bolsonaro acessou e copiou dados sigilosos do coordenador das investigações sobre o suposto esquema das “rachadinhas”, Eduardo Gussem, e de dois políticos que haviam rompido com o clã, o empresário Paulo Marinho e o ex-ministro Gustavo Bebianno.

No comunicado, o Fisco informou que os acessos são rastreáveis e projetou um “aperfeiçoamento do sistema neste ano, exigindo sempre motivação adequada e detalhada” para os servidores terem acesso a informações sigilosas.

O número de pessoas com acesso aos dados também deverá ser restringido até 31 de março. A Receita ainda comunicou que “os servidores que acessaram dados protegidos, sem motivação, foram identificados e estão sendo devidamente processados”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar