CartaExpressa

Real Time: no RS, Leite lidera e Senado tem empate entre Mourão, Olívio e Ana Amélia

O tucano aparece com 36% das intenções de voto

Eduardo Leite e Onyx Lorenzoni. Fotos: Maicon Hinrichsen / Divulgação e Marcello Casal Jr./ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O mais recente levantamento da Real Time Big Data no Rio Grande do Sul segue indicando o favoritismo de Eduardo Leite (PSDB) na corrida pelo governo do estado.

O tucano aparece com 36% das intenções de voto. Na sequência, o ex-ministro Onyx Lorenzoni (PL) marca 27%, seguido de Edegar Pretto (PT), com 12%, Luis Carlos Heinze (PP), com 4%, Vieira da Cunha (PDT), com 2%, Roberto Argenta (PSC), com 2%, e Ricardo Jobim (Novo), com 1%.

Senado

Na disputa por uma cadeira no Senado, estão numericamente empatados o vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) e o ex-governador Olívio Dutra (PT). Ainda dentro da margem de erro, com 25%, aparece a atual senadora Ana Amélia Lemos, o que configura um triplo empate técnico.

O Real Time ouviu 1.000 eleitores entre os dias 21 e 22 de setembro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais. A pesquisa foi registrada no TSE sob o número RS-09260/2022.

Confira a íntegra:

RTBD_RS_SET_22_2 (1)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar