CartaExpressa

Ré no STF, Zambelli implora a Elon Musk: ‘Por favor, olhe de novo para o Brasil’

A deputada bolsonarista responde a um processo no caso da invasão a sistemas do Poder Judiciário

Dep. Carla Zambelli (PL - SP) Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) pediu ao bilionário Elon Musk, dono do X (ex-Twitter), que “olhe novamente para o Brasil”.

Zambelli e o hacker Walter Delgatti Neto viraram réus na última terça-feira 21 por decisão unânime da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal, no caso da invasão a sistemas do Poder Judiciário.

“Você [Musk] iniciou uma revolução contra o mal no Brasil, mas depois que parou de tuitar, todos os processos recomeçaram”, acrescentou a bolsonarista, nesta sexta-feira 24, em postagem no X.

Os dois réus no processo responderão pelos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica, que, somados, podem chegar a 6 anos de reclusão, além de multa.

A denúncia foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República em abril. Em uma invasão ao sistema do Conselho Nacional de Justiça em janeiro de 2023, o hacker inseriu dados falsos, como um mandado de prisão contra o ministro Alexandre de Moraes, do STF. Posteriormente, Delgatti confessou a ação e afirmou ter recebido 40 mil reais de Zambelli para realizar o serviço. A defesa da deputada nega as acusações.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.