CartaExpressa

Randolfe pede quebra de sigilo e convocação de executivos da EMS e Apsen

Randolfe pede quebra de sigilo e convocação de executivos da EMS e Apsen

O vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

O vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, anunciou nesta quinta-feira 10 que vai solicitar a convocação e quebra de sigilo bancário e telefônico dos executivos das empresas EMS e Apsen.

Documentos obtidos pela Comissão mostram que o presidente Jair Bolsonaro atuou para favorecer os dois laboratórios que fabricam cloroquina

Em abril de 2020, Bolsonaro telefonou ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e solicitou que o país acelerasse a exportação de insumos para a fabricação de hidroxicloroquina.

O telegrama obtido pela CPI e divulgado pelo jornal O Globo transcreve o telefonema no qual o presidente cita nominalmente as empresas EMS e Apsen.

O pedido deve ser analisado na próxima semana pelos integrantes da CPI.

 

Empresários bolsonaristas 

O presidente da Apsen, Renato Spallicci, é um apoiador de Bolsonaro. Ele declarou voto no atual presidente em 2018 e tinha várias postagens nas suas redes sociais com ataques a seus adversários e defesa do governo. Ontem, ele foi convocado a prestar depoimento na CPI da Covid.

O CEO da EMS, Carlos Sanchez, já foi recebido por Bolsonaro para reuniões no Palácio do Planalto e participou recentemente de jantar com empresários realizado em São Paulo no qual o presidente foi ovacionado.

Na época, Bolsonaro divulgou em suas redes o contato que fez com Modi, mas não citou as empresas para qual ele atuou.

Ao Globo, tanto a Apsen quanto a EMS afirmam que têm relação apenas institucional com o governo brasileiro.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem