CartaExpressa,Política

Queiroga minimiza decisão de Bolsonaro de não se vacinar: ‘É algo pessoal, né?’

Queiroga minimiza decisão de Bolsonaro de não se vacinar: ‘É algo pessoal, né?’

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, minimizou nesta quinta-feira 14 a decisão do presidente Jair Bolsonaro de não se vacinar contra a Covid-19 e ignorou as fake news sobre imunizantes repetidas pelo ex-capitão.

A jornalistas, Queiroga afirmou que “o governo do presidente Bolsonaro defende a dignidade da pessoa humana, defende a vida, defende a liberdade, a tomada de decisão”.

“É algo pessoal, né? Então, vamos esperar que as pessoas busquem a sala de vacinação e, no caso do presidente, que ele saiba tomar a melhor decisão para ele e para o nosso País”.

Ao dizer que não se vacinará por já ter contraído a doença, porém, Bolsonaro desinforma. Especialistas ouvidos por CartaCapital explicam que não há qualquer segurança na alegação de que pessoas recuperadas da Covid não possam se reinfectar – inclusive com quadros mais graves – e transmitir a doença.

O colunista de CartaCapital Daniel Dourado, médico, advogado sanitarista e pesquisador do Centro de Pesquisa em Direito Sanitário da USP e do Institut Droit et Santé da Universidade de Paris, destaca que há diversos exemplos de pessoas que contraíram a Covid-19 e tempos depois se reinfectaram.

“No primeiro caso, tiveram sintomas leves; na reinfecção, casos mais graves. O sujeito não vacinado está muitíssimo mais exposto a ter um caso mais grave na segunda infecção, até porque ele pode ter tido a primeira de uma variante como a Gama e, agora, da Delta”, disse Dourado. “As vacinas, ao contrário, protegem contra a Delta”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem