CartaExpressa

Queiroga diz que precisa convencer Bolsonaro sobre as melhores práticas contra a Covid

Ministro da Saúde evitou criticar o seu antecessor, mas disse que o estava sendo feito não surtiu o resultado desejado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Reprodução/TV Brasil
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Reprodução/TV Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que cabe a ele persuadir o presidente Jair Bolsonaro sobre as “melhores práticas” de combate ao novo coronavírus.

“É meu dever persuadir meu presidente em relação às melhores práticas. Se eu não conseguir, a falha é minha, e não do presidente”, afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo.

“Ele foi eleito para governar o país. Eu me vacinei contra a Covid, e, antes de chegar aqui, me vacinei contra qualquer tipo de intriga. Não estou aqui para fazer política na saúde, mas de saúde”, acrescentou.

Na conversa, Queiroga evitou criticar o seu antecessor, general Eduardo Pazuello, mas disse que “se o que estava sendo feito tivesse surtido o resultado desejado, eu não seria o ministro da Saúde”.

Sobre o uso de medicamentos ineficazes contra a Covid-19, como a cloroquina, o ministro revelou que convidou a “comunidade científica, os técnicos do ministério, médicos assistenciais” para “buscar um caminho de convergência em cima das condutas que comprovadamente funcionam”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!