CartaExpressa,Política

Queiroga diz que há ‘excesso de vacinas’, mas Saúde desiste de cortar intervalo entre doses da AstraZeneca

Queiroga diz que há ‘excesso de vacinas’, mas Saúde desiste de cortar intervalo entre doses da AstraZeneca

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Evaristo Sá/AFP

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Evaristo Sá/AFP

Horas depois de o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmar que há “excesso de vacinas” no Brasil, a pasta decidiu recuar e não recomendará a diminuição de 12 para 8 semanas do intervalo entre as doses da AstraZeneca. A informação é do G1.

 

 

Em 25 de agosto, o governo federal comunicou que a redução ocorreria em setembro, mas não forneceu detalhes. Alguns estados já autorizaram prefeituras a diminuir o intervalo entre as aplicações.

Nesta tarde, Queiroga elogiou o sistema de distribuição de vacinas do governo e minimizou a dificuldade de estados de completar a imunização da população.

“Há excesso de vacina, na realidade. O Brasil já distribuiu 170 milhões de doses de vacinas, 210 milhões já foram aplicadas, hoje nós já temos doses pra vacinar todos os brasileiros acima de 18 anos com a 1ªdose. Agora, naturalmente, há um anseio de avançar, por exemplo, nessa dose de reforço, ou 3ª dose, naqueles indivíduos que são mais vulneráveis”, disse Queiroga.

“Precisa acabar com essas narrativas de falta de vacina. Isso não é procedente, o Brasil vai muito bem. O Brasil já é dos países que mais vacinam no mundo”, acrescentou.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem