CartaExpressa

‘Quanto mais armado estiver o povo, melhor’, diz Bolsonaro, em meio a ataques às instituições

Com seus militantes no ‘cercadinho’, o presidente criticou a imprensa e defendeu a facilitação do acesso a armas de fogo

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro, cujo discurso nas últimas semanas busca radicalizar sua base de apoio, tornou a exaltar o armamento da população. A declaração vem na esteira de um processo de enfrentamento às instituições e de ‘guerra’ ao Poder Judiciário, em especial a ministros do Supremo Tribunal Federal.

Durante contato com apoiadores no “cercadinho” do Palácio da Alvorada nesta quinta-feira 26, Bolsonaro criticou jornalistas pela abordagem de notícias sobre a facilitação do acesso a armas de fogo no Brasil.

“A imprensa de novo fez uma matéria nesta semana de que tem dobrado ano a ano o número de armas no Brasil. Eu quero que quintuplique. Quanto mais armado estiver o povo, melhor para todo mundo”, disse o presidente.

Estimulado pelos apoiadores, ele acrescentou que “enquanto a bandidagem estava armada com fuzil lá no Rio de Janeiro, a imprensa não falava nada, mas, agora, quando o cidadão de bem está comprando arma, o pessoal critica”.

Bolsonaro ainda disse aos militantes do “cercadinho” que “hoje em dia, o homem do campo está mais tranquilo”.

“Tiramos dinheiro de ONG, conseguimos via decreto dar o fuzil 762 para vocês, quem é CAC [Colecionador, Atirador e Caçador]. Conseguimos a posse ampliada, o elemento podia comprar a arma e usar dentro da casa na fazenda. Hoje ele pode montar o cavalo ou pegar o Jeep dele e andar na fazenda toda armado”, completou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.