CartaExpressa,Justiça

Presidente do STJ defende uso das conversas hackeadas contra Lava-Jato

Presidente do STJ defende uso das conversas hackeadas contra Lava-Jato

Para Humberto Martins, autodefesa do Judiciário justifica a utilização das mensagens entre procuradores da operação

Presidente do STJ, Humberto Martins. Créditos: EBC

Presidente do STJ, Humberto Martins. Créditos: EBC

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, afirmou que o “dever institucional de autodefesa” do Poder Judiciário justifica o eventual uso de provas ilícitas para abrir inquérito contra os procuradores da força-tarefa da Lava-Jato.

O magistrado, que apresentou esclarecimentos ao Supremo Tribunal Federal sobre a abertura de um inquérito para apurar se procuradores tentaram investigar ministros do STJ, se referia às mensagens trocadas entre procuradores e obtidas pela Operação Spoofing.

Um dos diálogos mostra o procurador Deltan Dallagnol combinando com um fiscal da Receita Federal a quebra de sigilo de integrantes do STJ.

“Apesar do relatado acima, os direitos fundamentais e garantias constitucionais não podem ser interpretados de forma absoluta diante do conteúdo de outros direitos fundamentais e garantias constitucionais que funcionam como limitadores recíprocos de uma interpretação irrestrita, não podendo, nesse contexto, haver óbice a que o Poder Judiciário cumpra um importante dever institucional de autodefesa, obviamente respeitando ditames legais e garantias constitucionais”, escreveu o presidente do STJ.

“Não subsistirão direitos fundamentais e garantias constitucionais sem a preservação do Poder Judiciário independente, que viabiliza que tais conquistas constitucionais sejam reconhecidas concretamente”, destacou.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem