CartaExpressa

Policiais federais vão às ruas contra o governo Bolsonaro

Policiais federais vão às ruas contra o governo Bolsonaro

Os representantes das forças de segurança reclamam de falta de clareza em vários itens da Reforma Administrativa proposta pelo Planalto

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

Policiais federais e várias categorias de servidores públicos vão às ruas nesta quarta-feira 23 contra a Reforma Administrativa proposta pelo governo do presidente Jair Bolsonaro que tramita na Câmara dos Deputados.

“Esta mudança constitucional não busca a eficiência ou maior profissionalização dos serviços públicos, como educação, saúde, segurança pública, justiça, assistência social, previdência, meio ambiente, dentre outros fundamentais para o desenvolvimento humano, social, cultural, institucional e econômico do país. Busca atender a interesses estranhos aos do povo brasileiro”, diz a nota das instituições que convoca para o ato.

“A sociedade brasileira demorou séculos para consolidar um serviço público eficiente, de carreira, sem apadrinhamentos e dominação politiqueira. E estamos vendo a triste e vergonhosa manipulação da opinião pública, com medidas como essa, de desmonte dos serviços públicos e das redes de proteção social, com reflexos nocivos ao desenvolvimento nacional, agora agravada com o risco de ter um serviço público influenciado pelo patrimonialismo, clientelismo e ingerências políticas de toda ordem”, acrescenta.

Os representantes das forças de segurança reclamam da falta de clareza em vários itens. O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luís Antônio Boudens, defende que a melhor alternativa seria o governo federal reiniciar as discussões sobre a reforma.

“Não foram apresentados dados que demonstrem como a reforma impactaria as contas públicas”, diz.

Não é a primeira vez que integrantes da PF ficam insatisfeitos com Bolsonaro. Em 2019, na Reforma da Previdência, o governo não incluiu policiais civis, rodoviários e federais no mesmo pacote dos militares, com regras mais brandas. Depois, veio a PEC Emergencial, em que os profissionais ficaram sujeitos ao congelamento salarial caso as despesas da União, de estados e municípios chegassem a 95% da receita corrente.

Leia a nota sobre a mobilização.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem