CartaExpressa

Polícia Federal anuncia que mil agentes irão atuar para reforçar a posse de Lula

Em nota, a corporação afirma que relatórios também estão sendo produzidos ‘a fim de proporcionar a tomada de decisões para a manutenção da ordem pública’

Apoie Siga-nos no

Mais de mil policiais federais irão atuar nas áreas de inteligência e proteção de autoridades durante a posse do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 1º de janeiro, próximo domingo. A informação foi divulgada pela Polícia Federal em nota nesta quarta-feira 28.

Os agentes estarão estarão integrados ao Centro Integrado de Operações da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal. 

“A proteção de cada autoridade passa por análise de risco, que indica o nível de proteção adequado e o aparato de segurança que será colocado à disposição. Novos fatos sempre são levados em consideração e, se necessário, podem levar a eventual majoração da proteção e a readequações no planejamento operacional, o qual é dinâmico”, diz a PF.

De acordo com o comunicado da corporação, relatórios estão sendo produzidos para servir de assessoramento aos dirigentes, “a fim de proporcionar a tomada de decisões para a manutenção da ordem pública“. 

Nesta quarta-feira 28, também foi anunciado o apoio da Força Nacional para reforçar a segurança da posse presidencial diante o temor de ataques.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar