CartaExpressa

PoderData: Lula cresce e venceria Bolsonaro no 2º turno por 55% a 30%

O petista também superaria todos os outros adversários considerados; no 1º turno, Ciro aparece em 3º, com 8% das intenções

Foto: Kássio Geovanne
Foto: Kássio Geovanne

Pesquisa PoderData divulgada nesta quarta-feira 1 mostra que Lula (PT) ampliou sua vantagem sobre Jair Bolsonaro na projeção para o 2º turno das eleições de 2022.

O petista aparece com 55% das intenções de voto, ante 30% do atual ocupante do Palácio do Planalto. Trata-se da maior vantagem de Lula sobre Bolsonaro desde setembro de 2020, quando o levantamento passou a considerar esse cenário. Na rodada anterior, no início de agosto, Lula liderava por 52% a 32%.

Lula também venceria no 2º turno todos os outros adversários considerados. Contra João Doria (PSDB), faria 50% a 18%. Ante José Luiz Datena (PSL), levaria a melhor por 54% a 17%.

Bolsonaro ainda perderia para Ciro Gomes (PDT), por 41% a 37%, e para Doria, por 39% a 32%. A vantagem de Ciro, porém, se dá no limite da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Na projeção para o 1º turno, Lula lidera com 37%. Na sequência, aparecem Bolsonaro, com 28%; Ciro, com 8%; Luiz Henrique Mandetta (DEM), com 5%; Doria e Pacheco, com 4%; e Datena, com 3%. Na pesquisa anterior, Lula liderava por 52% a 32%.

O PoderData conduziu 2.500 entrevistas em 472 municípios nas 27 unidades da Federação entre 30 de agosto e 1º de setembro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!