CartaExpressa

Pfizer disse que ressarciria Brasil se não enviasse doses e governo ignorou

Pfizer disse que ressarciria Brasil se não enviasse doses e governo ignorou

Planalto só fecharia acordo com a farmacêutica sete meses depois, em março deste ano

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

Documentos obtidos pela CPI da Covid, no Senado Federal, mostram que, em agosto de 2020, a Pfizer se comprometeu a reembolsar o Brasil por qualquer pagamento antecipado caso não conseguisse cumprir com o contrato de fornecimento de 30 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

O governo do presidente Jair Bolsonaro, no entanto, só fecharia acordo com a farmacêutica sete meses depois, em março deste ano.

A informação, que foi divulgada pela TV Globo no último domingo 13, consta em uma correspondência enviada pela embaixada do Brasil nos Estados Unidos ao Ministério das Relações Exteriores, à época comandado por Ernesto Araújo.

De acordo com a reportagem, os diplomatas brasileiros confirmam que a Pfizer “se comprometeria a devolver ao governo brasileiro todo e qualquer pagamento antecipado, na hipótese em que a empresa não consiga honrar a obrigação de entregar a quantidade acordada da vacina”.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem