PF deflagra operação contra desvios de remédios para indígenas Yanomamis

Segunda fase da operação realiza mandados de busca e apreensão contra funcionários do DSEI suspeitos de lavagem de dinheiro

Operação Yoasi. Foto: Reprodução / Polícia Federal

Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira 4, a segunda fase da operação Yoasi, que investiga a lavagem de recursos e o desvio de medicamentos destinados ao povo Yanomami. São cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em Boa Vista, em Roraima. A primeira fase ocorreu em novembro de 2022.

Os suspeitos são empresários e servidores do Distrito Sanitário Especial Indígena Yanomami, órgão do Ministério da Saúde especializado em saúde da população indígena, que investiram quantias suspeitas em empresas na tentativa de lavarem o dinheiro.

O desvio de remédios ocorreu em 2022, na gestão passada. De acordo com a PF, em nota, o esquema teria deixado mais de 10.000 crianças Yanomamis desassistidas. Apenas 30% dos medicamentos adquiridos pelo Distrito Sanitário Especial Indígena Yanomami (DSEI-Y) foi, de fato, entregue, mostra a investigação.

Um dos alvos de busca apreensão foi preso na Operação Hipóxia, que investigou em setembro o superfaturamento de cilindros de oxigênio destinados aos Yanomami. Ele é suspeito de ter repassado 4 milhões de reais para uma das empresas investigadas.

Desde janeiro, o território Yanomami é assistido pelo governo para conter a grave crise humanitária gerada pela pandemia e pela desassistência sistemática durante os quatro anos de governo Bolsonaro. Além da emergência sanitária, o território enfrentou uma intensa invasão de garimpeiros e do crime organizado.

Para proteger e incentivar discussões produtivas, os comentários são exclusivos para assinantes de CartaCapital.

Já é assinante? Faça login
ASSINE CARTACAPITAL Seja assinante! Aproveite conteúdos exclusivos e tenha acesso total ao site.
Os comentários não representam a opinião da revista. A responsabilidade é do autor da mensagem.

0 comentário

Relacionadas

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.