CartaExpressa

Pazuello terá que depor presencialmente, diz presidente da CPI da Covid

Pazuello terá que depor presencialmente, diz presidente da CPI da Covid

'Eu espero 14 dias, mas ele vem aqui', defendeu Omar Aziz em relação à possibilidade de Pazuello estar infectado

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Tony Winston/MS

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Tony Winston/MS

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid, reafirmou na sessão desta terça-feira 04 que todos os depoentes convocados deverão fazê-lo de forma presencial e que, se for o caso, a CPI aguardará os 14 dias de isolamento social para que o ex-ministro Eduardo Pazuello possa comparecer ao Senado.

Nesta terça-feira 04, Pazuello informou aos senadores que teve contato com dois assessores que testaram positivo para o coronavírus, e que, por esse motivo, poderia não comparecer ao seu depoimento, marcado para quarta-feira 05.

Enquanto senadores alinhados ao governo tentavam argumentar sobre a possibilidade de Pazuello ser interrogado de forma remota, Aziz cravou que foi decidido pela CPI que todos os convocados deveriam comparecer presencialmente ao Senado. O formato semipresencial, explicou, foi permitido apenas aos senadores.

Se fosse o caso, argumentou Aziz, eles aguardariam os 14 dias de isolamento indicados para tirar a prova da contaminação pela Covid-19 e trariam o ex-ministro depois desse prazo.

Já o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), argumentou que Pazuello poderia dar uma “demonstração de boa vontade” e realizar um teste para verificar se foi infectado.

Até o momento, não houve nenhuma comunicação oficial a respeito de Pazuello ter ou não contraído Covid-19.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem