CartaExpressa

OMS abre consulta pública para rebatizar a Monkeypox e evitar estigmatização

Um plataforma no site da organização continua a coletar sugestões

Manchas causadas pela varíola dos macacos - Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

A Organização Mundial da Saúde abriu uma consulta pública em seu site para rebatizar a Monkeypox, também conhecida como varíola dos macacos. O anúncio, feito pela OMS na terça-feira 16, é uma tentativa de encontrar uma nomenclatura menos estigmatizante para a doença, que vem avançando no mundo.

O nome “varíola dos macacos” surgiu porque o vírus foi originalmente identificado em macacos mantidos para pesquisa na Dinamarca em 1958, mas a doença é encontrada em vários animais. A descoberta em humanos ocorreu em 1970, na República Democrática do Congo, com a propagação desde então limitada principalmente a certos países da África Ocidental e Central, onde é endêmica.

A partir de maio deste ano, no entanto, o que se viu foi a propagação do vírus pelo mundo, com a confirmação de mais de 31 mil casos e 12 mortes, segundo levantamento da OMS. A organização designou o surto como uma emergência sanitária global. A doença causa febre, dores musculares e lesões cutâneas.

O alerta é de que o termo atual pode ser estigmatizante para o continente africano e para os primatas, que deram nome à doença mas desempenham papel secundário em sua propagação. Recentemente, foram relatados casos no Brasil de pessoas atacando macacos por medo de doenças.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.