CartaExpressa

O elemento Alckmin não necessariamente inviabiliza uma frente de esquerda, diz Medeiros

Se essa frente tiver uma identidade de esquerda, aí a contradição de estar nela é do Alckmin, afirma o presidente do PSOL

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, em entrevista a CartaCapital
Apoie Siga-nos no

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, afirmou que uma aliança entre o ex-presidente Lula e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin pode dificultar, mas não inviabiliza o apoio do partido à candidatura do petista em 2022.

“O elemento Alckmin é um dificultador, mas não necessariamente vai inviabilizar essa construção”, disse Medeiros em entrevista ao site Poder360. “O fundamental é saber o que essa frente vai defender. Se essa frente tiver um programa, uma identidade de esquerda, bom, aí a contradição de estar nessa frente é do Geraldo Alckmin, não é nossa”.

O dirigente partidário disse ainda que “não faz muito sentido pensar numa frente democrática de esquerda que tenha no seu interior partidos ou lideranças que não compartilham dos nossos valores”.

“O João Doria, o Mandetta, o Amoedo e também o Alckmin se abstiveram de impedir que essa tragédia [o governo Bolsonaro] acontecesse no nosso país. É um erro ter a presença de Alckmin”, acrescentou.

Alckmin, que deixou o PSDB, estuda se filiar ao PSB para ser vice de Lula ou ao PSD para se candidatar novamente ao governo do estado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.