CartaExpressa

‘O Brasil tem crescido. No ano passado, o crescimento foi negativo’, diz Bolsonaro

Em live, o ex-capitão alegou que seu governo ‘desperta a atenção do mundo todo’

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira 13 que seu governo “desperta a atenção do mundo todo” e “a confiança do investidor estrangeiro”.

Como de praxe, ele não mencionou dados para justificar as alegações, mas celebrou até um “crescimento negativo”.

“Completamos três anos de governo, dois em pandemia. De três anos, dois em guerra, em mar revolto. E, assim mesmo, o Brasil tem crescido. No ano passado, o crescimento foi negativo, mas todos esperavam -10%, mas foi -4%”, afirmou Bolsonaro em transmissão ao vivo nas redes sociais.

Ele se refere ao Produto Interno Bruto de 2020, que tombou 4,1% na comparação com o ano anterior. “É o maior recuo anual da série iniciada em 1996. Essa queda interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%”, informou o IBGE, em março de 2021.

No fim de dezembro do ano passado, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada revisou para baixo a projeção para o crescimento do PIB em 2021: de 4,8% para 4,5%. Para 2022, a estimativa caiu de 1,8% para 1,1%.

Na última terça-feira 11, o Banco Mundial cortou de 2,5% para 1,4% a projeção de crescimento da economia brasileira em 2022. Trata-se da menor taxa de crescimento dos 18 países emergentes e em desenvolvimento considerados pela instituição.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!