CartaExpressa,Economia,Política

Número de beneficiários do Auxílio Brasil será menor do que do Bolsa Família

Número de beneficiários do Auxílio Brasil será menor do que do Bolsa Família

Novo programa deixará de fora ao menos 558 mil famílias que vivem em condições de extrema pobreza, segundo levantamento

Cartão do benefício do Bolsa-Família. Foto: Governo do Piauí

Cartão do benefício do Bolsa-Família. Foto: Governo do Piauí

O Auxílio Brasil, programa social criado pelo governo Jair Bolsonaro em substituição ao Bolsa Família, deixará de fora ao menos 558 mil famílias que vivem em condições de extrema pobreza. O levantamento foi feito pelo UOL com base no Cadastro Único (CadÚnico).

De acordo com o portal, o programa foi subdimensionado, podendo contemplar menos famílias do que aquelas consideradas miseráveis no Brasil. Ao todo, o País tem mais de milhões de famílias nesta situação. 

Até maio deste ano, o número de benefícios era maior que o de miseráveis. Com o agravamento da crise econômica, os efeitos da pandemia e o aumento da inflação, houve um crescimento significativo da pobreza. O efeito não foi considerado pelo governo ao planejar o Auxílio Brasil.

Além de não dimensionar os efeitos da pandemia, ou abranger o déficit crescente de famílias em situação de vulnerabilidade, o programa ainda reduziu o número de beneficiários em relação ao último pagamento do Bolsa Família em 1%.

A perspectiva do governo é que até dezembro o novo programa de distribuição de renda atinja 17 milhões de famílias. No entanto, ainda falta a origem dos recursos para viabilizar o custeio.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem