CartaExpressa,Mundo

‘No Brasil, a democracia foi roubada’, diz Rafael Correa

‘No Brasil, a democracia foi roubada’, diz Rafael Correa

Para o ex-presidente do Equador, 'há um ressurgimento da esquerda' na região

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa. Foto: Kenzo TRIBOUILLARD/AFP

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa. Foto: Kenzo TRIBOUILLARD/AFP

O ex-presidente do Equador Rafael Correa afirmou que o Brasil vive em uma “democracia entre aspas”, desde o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Para Correa, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, a prisão de Lula é outro indício da fragilidade democrática do País.

“No Brasil, a democracia foi roubada por aqueles que colocaram Lula na cadeia e deram um golpe para tirar Dilma Rousseff do poder. [Jair] Bolsonaro é um presidente democrático. Mas o Brasil é uma democracia entre aspas. Porque se Lula não tivesse sido preso, ele seria o presidente do País”, disse.

Morando na Bélgica desde que deixou a presidência em 2017 e sem poder retornar ao Equador por uma condenação por corrupção, Correa participa a distância da campanha de Andrés Arauz, seu candidato ao cargo mais alto do país.

 

 

Na interpretação de Correa, “há um ressurgimento da esquerda” na região. “A sociedade se deu conta do fracasso dos governos neoliberais modernos”, afirmou na entrevista.

“O ponto chave desse processo ocorreu em 2014, com a mudança das condições do mercado internacional, com a desaceleração mundial, quando caíram os preços das commodities. Foi então que a imprensa, que na América Latina pertence à elite, começou a dizer que o que estava ocorrendo era o fracasso das políticas socialistas. Mas não notaram que nós estávamos enfrentando crises imensas”, apontou.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem