CartaExpressa

Nicolelis: A terceira onda tem um potencial letal extraordinário

‘Temos que achar uma solução política para remover um governo que se negou a fazer tudo o que era preciso ser feito’, diz o médico

Créditos: divulgação
Créditos: divulgação

O médico Miguel Nicolelis, um dos mais renomados neurocientistas brasileiros e professor catedrático da Universidade Duke (EUA), fez previsões ainda mais estarrecedoras do cenário brasileiro para os próximos meses.

Para o cientista, o Brasil já entrou na terceira onda da Covid-19, que deve se acentuar ainda mais com a chegada do inverno no país. O potencial seria ainda mais letal, segundo Nicolelis revelou ao jornal O Globo.

“A terceira onda já se iniciou e vai ocorrer novamente no inverno. Ela tem um potencial letal extraordinário”. O médico completou ainda que, se sua previsão se confirmar novamente, teremos o auge da nova onda em um momento muito pior do ponto de vista hospital, sem condições humanas e insumos suficientes para abrir novos leitos.

Em entrevista recente a CartaCapital, Nicolelis já havia alertado para os riscos dessa terceira onda e destacado que o País só superaria esse momento com ‘com 3 milhões de vacinas por dia e lockdown’.

Em março deste ano, o médico também projetou que o Brasil chegaria à marca de 500 mil mortos em 19 de julho. A marca, porém, deve ser atingida já nos próximos dias.

“É como se o Brasil tivesse desistido de combater a pandemia neste momento”, concluiu Nicolelis ao tratar da omissão e ineficiência do governo federal ao lidar com a pandemia. Para ele, o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe não conseguiram fazer nada de eficiente no combate ao vírus.

O neurocientista é categórico ao tratar dos motivos que levaram o Brasil a essa situação. Decisões incorretas do governo, falta de ações de isolamento e a não criação de comando central foram alguns dos pontos da longa lista de ineficiências que levaram o País para este caminho.

“Temos que achar uma solução política para remover um governo que se negou a fazer tudo o que era preciso ser feito”, enfatizou. “Daqui a 50 anos, quando a pandemia for contada na História do Brasil, ninguém vai acreditar”, conclui.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!