CartaExpressa

MP recomenda o afastamento do Secretário de Segurança do DF e do comandante da PM

O pedido foi encaminhado à governadora em exercício Celina Leão e ao interventor da União no DF, Ricardo Cappelli

Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadem a sede do Congresso Nacional do Brasil em Brasília (Foto: EVARISTO SA / AFP)
Apoie Siga-nos no

O procurador-geral de Justiça do Distrito Federal e Territórios, Georges Seigneur, recomendou nesta segunda-feira 9 o afastamento do secretário de Segurança Pública do DF em exercício, Fernando de Sousa Oliveira; do comandante-geral da Polícia Militar, Fábio Augusto Vieira; do comandante operacional da PM, Jorge Eduardo Naime Barreto; e do comandante do Pelotão de Choque, Gustavo Cunha de Souza.

As recomendações se dão no contexto dos atos terroristas ocorridos em Brasília no domingo 8 e protagonizados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), com invasão e depredação de prédios públicos dos Três Poderes.

Segundo o Ministério Público do Distrito Federal, o afastamento considera a apuração de informações, documentos, fotos e vídeos, além de notícias divulgadas em diversos canais de comunicação apontando omissões por parte de integrantes da PM.

Os pedidos foram encaminhados ao gabinete da governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão, e ao interventor da União na Segurança Pública do DF, Ricardo Cappelli.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.