CartaExpressa

MP diz ter recebido imagens das câmeras de policiais em ação no Guarujá

As gravações podem ajudar a elucidar as 16 mortes ocorridas na operação

Uma moradora protesta contra uma operação policial que matou 16 pessoas no Guarujá. Foto: Allison Sales / AFP
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público de São Paulo informou nesta segunda-feira 7 ter começado a receber as imagens das câmeras corporais usadas pelos policiais envolvidos na Operação Escudo

Iniciada no Guarujá, na Baixada Santista, a operação foi deflagrada após a morte do policial Patrick Bastos Reis e já deixou 16 mortos.

“Os promotores designados pela Procuradoria-Geral de Justiça para apurar os desdobramentos da intervenção na Baixada Santista aguardam o envio de outros dados solicitados à corporação, que vem colaborando para o esclarecimento dos fatos”, acrescentou o MP.

Também nesta segunda, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo atualizou o balanço sobre o número de pessoas presas na operação. No domingo, com 21 novos  alvos, o total chegou a 181. 

Segundo a SSP, as autoridades policiais apreenderam 22 armas e 495 quilos de drogas. De acordo com a pasta, o objetivo da operação seria “sufocar o tráfico de drogas e desarticular o crime organizado” na região.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar