CartaExpressa

Moro quer investigação da PF sobre perfis que divulgaram suas declarações contra Gilmar

A PGR denunciou o senador por calúnia contra o ministro do Supremo Tribunal Federal

O ministro Gilmar Mendes e o senador Sergio Moro. Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil e Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A defesa do senador Sergio Moro (União-PR) pediu que o Supremo Tribunal Federal determine à Polícia Federal uma investigação sobre três perfis que divulgaram um vídeo com declarações do ex-juiz sobre o ministro Gilmar Mendes. A gravação deu origem a uma denúncia da Procuradoria-Geral da República contra Moro por calúnia.

O cenário do vídeo, que ganhou força nas redes sociais em abril, é uma festa junina em que Moro aparece conversando com outras pessoas. Após uma mulher dizer que ele “está subornando o velho”, o ex-magistrado responde: “Não, isso é fiança. Instituto para comprar um habeas corpus do Gilmar Mendes”.

Segundo os advogados de Moro, os três perfis que teriam supostamente editado e divulgado o vídeo “possuem inclinação política absolutamente diversa daquela defendida e acreditada pelo acusado”. A alegação da defesa é que “se tratou de uma edição mentirosa (e criminosa, a princípio) das afirmações exaradas por Sergio Moro, tão somente para atingir a sua honra e credibilidade perante a sociedade e o Poder Judiciário”.

A denúncia da PGR sustenta, por outro lado, que “ao atribuir falsamente a prática do crime de corrupção passiva ao ministro Gilmar Mendes, o denunciando Sergio Moro agiu com a nítida intenção de macular a imagem e a honra objetiva do ofendido, tentando descredibilizar a sua atenção como magistrado da mais alta Corte do País”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar