CartaExpressa

Moraes dá 5 dias para X se manifestar sobre relatório da PF que mostra descumprimento de decisão judicial

Segundo o documento elaborado pela PF, a rede social de Elon Musk autorizou transmissões de conteúdo ao vivo de perfis bloqueados por ordem do STF

Musk está usando a nova logo do twitter em seu perfil na rede social. Foto: ALAIN JOCARD / AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou ao X, antigo Twitter, que se manifeste sobre os descumprimentos de decisão judicial que lhe foram atribuídas pela Polícia Federal, em até 5 dias. 

Segundo o documento elaborado pela PF, a rede social de Elon Musk autorizou transmissões de conteúdo ao vivo de perfis bloqueados por ordem do ministro do STF. 

Os perfis pertencem a investigados pela Corte por disseminarem informações falsas sobre o sistema eleitoral e as instituições democráticas brasileiras

Entre eles estão o blogueiro Allan dos Santos, o senador Marcos do Val (Podemos) e os comentaristas políticos Rodrigo Constantino e Paulo Figueiredo Filho.

Em resposta a outro questionamento do ministro na sexta-feira, dia 19, o X no Brasil afirmou que não houve habilitação do recurso de transmissão ao vivo (live) para as contas e perfis sujeitos às ordens de bloqueio ou suspensão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar