CartaExpressa

Ministro da Educação diz que diploma não adianta porque ‘não tem emprego’

Milton Ribeiro defendeu a preferência pelo ensino técnico profissionalizante

Ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, criticou a obtenção de diploma universitário por pessoas de baixa renda em meio ao cenário de desemprego. A declaração ocorreu durante evento do Ministério da Educação na cidade de Nova Odessa, no estado de São Paulo, no sábado 21.

“Que adianta você ter um diploma na parede? O menino faz inclusive o financiamento do FIES, que é um instrumento útil, mas depois ele sai, termina o curso, mas fica endividado e não consegue pagar porque não tem emprego”, disse o ministro.

Na ocasião, Ribeiro defendeu o ensino técnico profissionalizante, porque “o Brasil precisa de mão de obra técnica”. Segundo ele, a etapa da universidade deveria vir depois de a pessoa ter um emprego.

Estudantes realizaram protesto durante o evento, contra cortes orçamentários em universidades federais. Segundo a União Nacional dos Estudantes, houve truculência de policiais para retirar os manifestantes do local. A presidente da entidade, Bruna Brelaz, relatou agressão.

“Acabamos de ser agredidos por protestarmos em evento do MEC. Não aceitaremos autoritarismo”, escreveu Bruna em sua rede social. ”

Na última semana, Milton Ribeiro foi amplamente criticado por dizer que “universidade é para poucos” e que “é impossível conviver” com algumas crianças com deficiência em sala de aula. O ministro alega que as declarações foram mal interpretadas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.