CartaExpressa

Ministro da Educação diz que diploma não adianta porque ‘não tem emprego’

Milton Ribeiro defendeu a preferência pelo ensino técnico profissionalizante

Ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Isac Nóbrega/PR
Ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, criticou a obtenção de diploma universitário por pessoas de baixa renda em meio ao cenário de desemprego. A declaração ocorreu durante evento do Ministério da Educação na cidade de Nova Odessa, no estado de São Paulo, no sábado 21.

“Que adianta você ter um diploma na parede? O menino faz inclusive o financiamento do FIES, que é um instrumento útil, mas depois ele sai, termina o curso, mas fica endividado e não consegue pagar porque não tem emprego”, disse o ministro.

Na ocasião, Ribeiro defendeu o ensino técnico profissionalizante, porque “o Brasil precisa de mão de obra técnica”. Segundo ele, a etapa da universidade deveria vir depois de a pessoa ter um emprego.

Estudantes realizaram protesto durante o evento, contra cortes orçamentários em universidades federais. Segundo a União Nacional dos Estudantes, houve truculência de policiais para retirar os manifestantes do local. A presidente da entidade, Bruna Brelaz, relatou agressão.

“Acabamos de ser agredidos por protestarmos em evento do MEC. Não aceitaremos autoritarismo”, escreveu Bruna em sua rede social. ”

Na última semana, Milton Ribeiro foi amplamente criticado por dizer que “universidade é para poucos” e que “é impossível conviver” com algumas crianças com deficiência em sala de aula. O ministro alega que as declarações foram mal interpretadas.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!