CartaExpressa,Política

Médicos da Prevent Senior eram obrigados a cantar hino da empresa, diz advogada

Médicos da Prevent Senior eram obrigados a cantar hino da empresa, diz advogada

Em depoimento à CPI da Covid, Bruna Morato afirmou que os profissionais faziam o gesto para sinalizar 'lealdade e obediência' à empresa

A advogada Bruna Morato. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A advogada Bruna Morato. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Em depoimento à CPI da Covid nesta terça-feira 28, a advogada Bruna Morato, que representa médicos da Prevent Senior, afirmou que os profissionais eram obrigados a cantar um hino da instituição em determinados eventos, como uma forma de sinalizar ‘lealdade e obediência’ à empresa.

O pedido, segundo a advogada, era feito pelos ‘guardiões’ de empresa, médicos responsáveis pelos plantonistas. A advogada disse desconhecer a presença desses profissionais em outras empresas do ramo de saúde. Afirmou ainda que a categoria foi criada pelo médico geriatra Eduardo Parrillo, um dos donos da empresa, que divide a sociedade com o irmão Fernando Parrillo.

À CPI, a advogada não soube especificar a letra do hino, mas afirmou que os médicos tinham que cantá-lo levando a mão ao peito. Ainda durante seu depoimento, Morato pediu que médicos que tivessem o conteúdo o disponibilizassem para apreciação da comissão de inquérito.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem