CartaExpressa,Sociedade

Médico detido no Egito por ofender vendedora chora e diz que ‘sofreu muito’

Médico detido no Egito por ofender vendedora chora e diz que ‘sofreu muito’

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

O médico Victor Sorrentino, eleitor declarado de Jair Bolsonaro e conhecido por defender o ‘tratamento precoce’ contra a Covid-19, usou as redes sociais para se manifestar após ser detido no Egito por ofender uma vendedora muçulmana.

Em transmissão ao vivo no Instagram na noite da terça-feira 8, o médico chorou e pediu desculpas por ter publicado o vídeo em que expôs a mulher e disse ter “sofrido muito”.

“Passei os melhores e os piores momentos da minha vida. Os piores porque nunca imaginei que eu fosse passar por aquilo e nunca imaginei que minha família fosse passar pelo o que passou. Ficaram sem notícias minhas durante um período. A investigação foi muito dolorosa, eles não sabem o quanto as pessoas aqui estavam sofrendo”, afirmou.

Sorrentino ainda disse não ter tido tempo de se informar com detalhes sobre a cultura egípcia, já que sua viagem ao país teria sido acertada com três dias de antecedência.

“Vocês percebem que, naquele clima de brincadeira, cometer um descuido como eu cometi… E esse descuido é um erro, não medir as palavras, usar as palavras erradas numa brincadeira que eu não tinha o direito de fazer com ela, apesar de que a gente tinha pedido para filmar ela explicando as coisas… Isso pode tomar uma dimensão gigantesca. Fui super infeliz com a brincadeira que eu fiz. Uma pessoa como eu, que toca tantas vidas de tantas pessoas, não tinha o direito de fazer isso”, acrescentou.

Nas imagens que motivaram sua detenção no Egito, o médico brasileiro conversa com a vendedora, que lhe mostra um papiro. “Elas gostam é do bem duro. Comprido também fica legal, né?”. Constrangida, a mulher diz que sim, ato seguido por risadas dos brasileiros.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem