CartaExpressa

Mauro Tramonte lidera corrida pela prefeitura de BH, aponta pesquisa Quaest

Pré-candidato lidera, também, cenários de segundo turno

O pré-candidato Mauro Tramonte. Foto: Guilherme Bergamini/ALMG
Apoie Siga-nos no

O deputado estadual e ex-apresentador de TV Mauro Tramonte (Republicanos-MG) está na liderança na disputa pela prefeitura de Belo Horizonte. A conclusão é da nova pesquisa Quaest, divulgada nesta terça-feira 11, com eleitores da capital de Minas Gerais.

Segundo o levantamento, Tramonte tem 25% das intenções de votos. O cenário envolve doze pré-candidatos. 

Em seguida, aparecem o deputado estadual Bruno Engler (PL) e o ex-deputado João Leite (PSDB), com 11%. 

Duda Salabert (PDT), Carlos Viana (Podemos) e o atual prefeito Fuad Noman (PSD) fecham a linha de frente, tendo todos 9% de intenções de voto. O deputado Rogério Correia (PT), por sua vez, tem 6%. 

A Quaest também simulou cinco cenários de segundo turno. Tramonte venceria todos eles, o que indica os seguintes resultados:

  1. Mauro Tramonte (49%) x Carlos Viana (24%)
  2. Mauro Tramonte (55%) x Bruno Engler (19%)
  3. Mauro Tramonte (53%) x Fuad Noman (25%)
  4. Mauro Tramonte (59%) x Duda Salabert (21%)
  5. Mauro Tramonte (60%) x Rogério Correia (17%)

Ao apresentar de maneira espontânea a pergunta sobre quem o entrevistado pretende votar – ou seja, sem os nomes dos pré-candidatos, a Quaest captou que 87% dos eleitores de BH estão indecisos.

A pesquisa foi feita com 1.200 eleitores de Belo Horizonte, entre 5 e 8 de junho. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.