CartaExpressa

Manifestante é detida durante “motociata” de Bolsonaro

Manifestante é detida durante “motociata” de Bolsonaro

Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou que os fatos serão apurados pelo Estado

Testemunhas gravaram o momento em que a mulher é detida. Crédito: Reprodução

Testemunhas gravaram o momento em que a mulher é detida. Crédito: Reprodução

Uma mulher de 47 anos foi detida por policiais no último sábado, 10, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, por supostamente ter batido panela em protesto contra Jair Bolsonaro. O presidente participava de “motociata” com apoiadores na capital gaúcha.

Segundo a Polícia Militar do Estado, a manifestante ameaçou motociclistas e tentou chutar uma das pessoas que participavam do ato, além de ter desacatado os agentes de segurança.

O governador gaúcho Eduardo Leite (PSDB-RS) informou que o Estado do Rio Grande do Sul irá apurar “com rigor” as condições em que se deu a prisão da manifestante. “O Estado irá apurar com rigor as condições em que se deu o recolhimento de manifestante hoje em Porto Alegre”, escreveu Eduardo Leite em seu perfil no Twitter.

 

Segundo nota da Secretaria de Segurança Pública (SSP-RS), a manifestante estava agredindo motociclistas com chutes. “Apesar das repetidas tentativas das PMs de afastar a mulher, ela desobedeceu a ordem, desacatou as PMs que a abordaram, tentou chutar um dos motociclistas e manteve as ameaças de agressão”, justificou a SSP-RS.

Políticos da oposição questionaram a atitude e sugeriram abuso de autoridade. Foi o caso do Senador Humberto Costa (PT-PE), que chamou de “absurdo” a prisão dela em post no Twitter.

Em entrevista ao Sul 21, Betina se defendeu das acusações: “Eu não estava lá agredindo motoqueiros, nem chutando motos como o governador Eduardo Leite colocou no post dele. Eu estava batendo panela mesmo. A panela era minha e não tava lá agredindo ninguém. Eu estava gritando palavras de insastifação, eles xingavam a gente e a gente xingava de volta. É normal numa manifestação as pessoas se xingarem, só que esse motoqueiro parou na minha frente, me desafiou e eu acabei reagindo. Claro que, num momento desses, a gente perde a razão, mas nada que fosse necessário me prender, me deter e me levar algemada. Eu tenho 1,54 m de altura, não ofereço perigo a ninguém”, afirmou ela.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem