CartaExpressa,Política

Malafaia chama Moraes de ‘ditador de toga’ e desafia: ‘Queria ver me prender’

Malafaia chama Moraes de ‘ditador de toga’ e desafia: ‘Queria ver me prender’

Em tom de ameaça, pastor bolsonarista disse que ministros não irão mexer com líderes religiosos porque 'a pressão dos evangélicos é gigante'

(Foto: Paula Fróes/BA Press)

(Foto: Paula Fróes/BA Press)

O pastor Silas Malafaia, um dos religiosos mais próximos do presidente Jair Bolsonaro, subiu o tom na intimidação ao Supremo Tribunal Federal, chamou Alexandre de Moraes de ‘ditador de toga’ e desafiou o ministro a decretar sua prisão após as ameaças. As declarações foram dadas em entrevista ao canal de Leda Nagle no YouTube na terça-feira 14.

“Queria ver ele [Alexandre de Moraes] me prender. Tenho medo desse cara não. Mas não tenho medo mesmo. Repito em alto bom som: ditador da toga. Tem que ter impeachment, não é digno de está vestido de toga no Supremo Tribunal. Pode vir do jeito que ele quiser que eu não tenho medo”, disse Malafaia em tom de ameaça.

Malafaia, que esteve ao lado de Bolsonaro na Av. Paulista nos atos antidemocráticos do dia 7 de setembro, afirmou ainda que o Supremo dificilmente decretará a prisão de pastores, indicando que se sente livre para ameaçar por ter uma suposta ‘imunidade política’ por reunir muitos votos de evangélicos.

“Sabe qual a possibilidade dele tocar em um líder religioso? De zero a cem? É de um. Dele tocar em mim? De zero a cem é de uma distância. Ele sabe que mexer com liderança religiosa é uma casa de marimbondo com ferrão grande”, explicou. “Não que evangélico vá quebrar nada, não tem nada a ver com isso, mas a pressão sobre isso é gigante. Deputados e senadores, que são votos majoritários, levam a eleição com voto dos evangélicos. Não vai aguentar a pressão”, detalhou Malafaia.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem