CartaExpressa

Leite sobe o tom contra Doria nas prévias do PSDB: ‘Do outro lado, vemos compra de votos’

O governador do RS compareceu à reunião que pretende definir quando e em que condições a eleição interna será retomada

Eduardo Leite e João Doria. Fotos: Felipe Della Valle/AFP e Valter Campanato/Agência Brasil
Eduardo Leite e João Doria. Fotos: Felipe Della Valle/AFP e Valter Campanato/Agência Brasil

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, subiu o tom contra o governador de São Paulo, João Doria, seu adversário nas prévias que definirão o candidato do PSDB à Presidência em 2022.

No domingo 21, o partido suspendeu a eleição interna devido a problemas técnicos no aplicativo utilizado para a votação. Além de Leite e Doria, está na disputa o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

“Do outro lado, nós vemos compra de votos, denúncias de pressões indevidas, suspensão de filiações, demissão de pessoas que não apoiam esse tipo de conduta”, disse Leite, citado pelo jornal O Globo, ao chegar à sede nacional da legenda, em Brasília.

Leite compareceu à reunião que pretende definir quando e em que condições as prévias serão retomadas. Doria e Virgílio, por outro lado, limitaram-se a enviar representantes ao encontro.

No domingo, após a interrupção da votação, Virgílio lamentou o apoio dado a Jair Bolsonaro pela bancada tucana no Congresso Nacional e culpou Aécio Neves pelo comportamento do partido.

“Eu vejo duas questões importantes a colocar. A primeira é que nós temos uma bancada que tem se comportado como bolsonarista ao longo das votações mais relevantes”, disse. “A segunda é que eu considero o PSDB um caminhão carregado de maçãs boas, mas tem uma que está estragando bastante as outras: Aécio Neves.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!