CartaExpressa

Keila Simpson, presidenta da Antra, é detida em aeroporto no México e deportada

A ativista foi impedida de entrar no país por não ter nome social retificado em sua documentação; associação cobrará respostas por violação de direitos humanos

Keila Simpson, presidenta da Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Foto: redes sociais
Keila Simpson, presidenta da Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Foto: redes sociais
Apoie Siga-nos no

A ativista, Keila Simpson, travesti e presidenta da Associação Nacional de Travestis e Transexuais, a Antra, foi detida no aeroporto do México neste domingo 1º. Keila participaria do Fórum Social Mundial, mas foi impedida de ingressar no país e deportada por não ter nome social retificado em sua documentação.

Ela foi impedida de entrar no país porque sua expressão de gênero não corresponderia ao nome que constava no passaporte – o que configuraria, segundo agentes aduaneiros, ‘atitude suspeita’. Keila ficou detida dentro do aeroporto por aproximadamente 10 horas, sem poder realizar contato.

Para a Antra, sua presidente teve seu direito à autodeclaração de gênero violado. Mesmo que o direito a retificação de nome e gênero tenha sido alcançada, argumenta a associação, ele não é uma obrigatoriedade, e não anula a existência do nome social para pessoas trans e travestis.

Na tentativa de impedir a deportação, a advogada Jessica Marjene chegou a mobilizar uma medida cautelar no País. Sem sucesso, Keila retornou ao Brasil na madrugada desta segunda-feira 2.

A Antra informou ainda que cobrará respostas e ações reparativas ao Itamaraty e ao governo do México por violação de direitos humanos.

Caio César

Caio César
Estagiário de CartaCapital

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.