CartaExpressa

Justiça do Rio afasta Flordelis do mandato parlamentar

Deputada é acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 2019

Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro afastou, nesta terça-feira 23, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) do cargo.

Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019. Além do afastamento, Flordelis e mais dez acusados aguardam a decisão da 3ª Vara Criminal de Niterói para saber se irão a júri popular.

O voto favorável ao afastamento proferido pelo relator do caso, o desembargador Celso Ferreira Filho, foi acompanhado pelos outros dois magistrados. Para Ferreira Filho, as ações da deputada ao longo da investigação podem representar interferência na apuração criminal.

De acordo com a Constituição, já que Flordelis exerce o mandato, a decisão deverá ser votada no plenário da Câmara dos Deputados – aos moldes do que ocorreu no caso de Daniel Silveira (PSL-RJ) – em até 24h e, caso aprovada, tem validade máxima de 1 ano.

Nesta terça, os processos dos dois parlamentares protagonizam a sessão de abertura do Conselho de Ética da Câmara, que permaneceu fechado em 2020 devido à pandemia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!