CartaExpressa,Política

Justiça determina que Prevent pague R$ 1,9 milhão a paciente por tratamento precoce

Justiça determina que Prevent pague R$ 1,9 milhão a paciente por tratamento precoce

A decisão foi proferida pelo juiz Guilherme Santini Teodoro em caráter liminar e ainda cabe recurso por parte da operadora

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Um paciente da Prevent Senior que recebeu o ineficaz tratamento precoce e não foi encaminhado para uma unidade de terapia intensiva pela operadora irá receber 1,9 milhão de reais para arcar com custos adicionais que teve após o ‘experimento’. A decisão foi tomada pela 30ª Vara Cível de São Paulo e ainda cabe recurso. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo.

A decisão foi motivada pelo atraso em encaminhar Carlos Alberto Reis, de 61 anos, a um leito de UTI. A Justiça considerou que o paciente não teve ‘tratamento adequado’. Isso porque Reis foi mantido em um quarto comum do hospital Sancta Maggiore à base de medicamentos sem eficácia comprovada, mesmo com o agravamento do caso.

Reis só foi transferido para outra unidade após consulta com um médico de confiança da família. Na ocasião, a Prevent Senior o mandou para um leito semi-intensivo, sem monitoramento permanente, ainda abaixo do que exigia o seu caso. Pela demora em transferi-lo para uma UTI, a família optou por levá-lo ao Hospital Albert Einstein, único com leitos disponíveis na ocasião, onde Reis ficou por dois meses sob os cuidados adequados.

A transferência ao novo hospital gerou custos adicionais ao paciente que não puderem ser cobertos pela própria família, o que embasou a decisão da Justiça, que entendeu como um prejuízo “as intercorrências e atrasos no tratamento adequado no hospital Sancta Maggiore”, da Prevent Senior.

A Prevent tem agora cinco dias para depositar os quase 2 milhões de reais na conta da esposa do paciente, sob pena de multa de 1% ao dia. O dinheiro será usado para cobrir os custos do tratamento no Albert Einstein. A decisão foi proferida pelo juiz Guilherme Santini Teodoro em caráter liminar e ainda cabe recurso por parte da operadora.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem