CartaExpressa,Política

Jungmann: militares não criarão qualquer dificuldade se Lula vencer em 2022

Jungmann: militares não criarão qualquer dificuldade se Lula vencer em 2022

'As Forças Armadas não darão suporte ou apoio a qualquer desvio constitucional', disse o ex-ministro

O ex-ministro Raul Jungmann. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ex-ministro Raul Jungmann. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ex-ministro da Defesa Raul Jungmann, responsável pela pasta no governo de Michel Temer, afirmou que, a despeito de pedidos de grupos de extrema-direita por intervenção militar, “as Forças Armadas não darão suporte ou apoio a qualquer desvio constitucional, qualquer golpe ou qualquer interrupção da democracia”.

Em entrevista à BBC Brasil, Jungmann também declarou que, independentemente do resultado das urnas no ano que vem, os militares não contestarão o vencedor. Nem se o ex-presidente Lula derrotar Jair Bolsonaro.

“Se em 2022 o Mandetta, o Huck, o Doria, o Moro ou o próprio Lula chegarem ao poder, eu posso lhe assegurar que da parte das Forças Armadas não terão qualquer impedimento ou dificuldade para governar”, acrescentou.

Jungmann ainda disse que no governo Lula aconteceram “duas coisas importantes para as Forças Armadas”: a edição de uma política e de uma estratégia nacional de Defesa.

“E, além disso, é reconhecido que é desse período, que foi um período economicamente muito mais folgado, que houve um grande investimento na modernização e atualização das nossas Forças”.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem