CartaExpressa

Juíza proíbe Record de fazer “propaganda subliminar” a favor de Crivella

Apuração do MP mostra ‘fato grave que merece imediata reprimenda estatal’, afirma magistrada

A juíza eleitoral Luciana Mocco Moreira Lima proibiu, em decisão tomada na segunda-feira 5, a TV Record de fazer “propaganda subliminar” para o prefeito do Rio de Janeiro e candidato à reeleição, Marcelo Crivella (Republicanos).

“Não restam dúvidas [de] que a documentação acostada pelo Ministério Público comprova fato grave que merece imediata reprimenda estatal. A atitude da emissora Record e de seus funcionários com mensagens de exposição do número de campanha já utilizado pelo prefeito Marcelo Crivella, pessoa conhecida e candidato à reeleição, com a finalidade de firmá-los no inconsciente do eleitor, afronta a legislação eleitoral (…)”, afirmou a magistrada, cuja decisão foi revelada pela revista Época.

Luciana Lima determinou que os apresentadores da Record se abstenham de, ainda que por meio de gestos, promover propaganda sobre o número 10 – do Republicanos – sob pena de incorrerem em crime de desobediência. Ela estabeleceu o prazo de 48 horas para Crivella se manifestar.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!