CartaExpressa,Política

Juíza afasta agentes que teriam torturado ativista na prisão

Juíza afasta agentes que teriam torturado ativista na prisão

O ativista Rodrigo Pilha, em vídeo publicado na internet. Foto: Reprodução

O ativista Rodrigo Pilha, em vídeo publicado na internet. Foto: Reprodução

A juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, determinou o afastamento de agentes suspeitos de praticarem tortura contra o ativista Rodrigo Grassi Cadermatori, conhecido como Rodrigo “Pilha”, filiado ao Partido dos Trabalhadores e preso após protestar contra o presidente Jair Bolsonaro em 18 de março.

Segundo a decisão, dois servidores da Secretaria de Administração Penitenciária devem ser afastados por 60 dias das unidades prisionais e transferidos para unidade administrativa gerida pelo órgão. Nesse prazo, devem ocorrer as apurações referentes ao caso.

A juíza também determinou que a Seape informe as providências tomadas para apurar o episódio.

Vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, a deputada Érika Kokay (PT-DF) disse ter ouvido depoimento do ativista, em que ele teria confirmado episódio de tortura no primeiro dia de sua detenção no Centro de Detenção Provisória II. O relato havia sido publicado pela Forum em 29 de abril.

O caso é acompanhado pela Ordem dos Advogados do Brasil e pelo Conselho Nacional de Justiça.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem