CartaExpressa

Jefferson alega problema de saúde e pedirá ao STF para cumprir prisão domiciliar

Segundo a defesa, o bolsonarista ‘está fazendo acompanhamento médico por conta de uma inflamação aguda no fígado’

O ex-deputado federal Roberto Jefferson. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A defesa do bolsonarista Roberto Jefferson, presidente do PTB, decidiu protocolar um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal para que a prisão preventiva da qual ele foi alvo nesta sexta-feira 13 se converta em domiciliar.

“Ele [Jefferson] está fazendo acompanhamento médico por conta de uma inflamação aguda no fígado”, disse ao site Poder360 o advogado Luiz Gustavo Pereira da Cunha.

Jefferson, acusado de participar de uma organização criminosa digital montada para atacar a democracia, foi detido nesta manhã, no Rio de Janeiro, por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF. O mandado também pediu o bloqueio de conteúdos postados em redes sociais, a apreensão de armas e o acesso a mídias de armazenamento.

Pouco antes de ser preso, o ex-deputado fez uma nova leva ameaças a Moraes. Em áudio que circula por grupos bolsonaristas, ele diz que “daqui pra frente (a nossa conta) é pessoal, não tem saída”. Também afirma que Moraes, a quem se refere como “Xandão”, é “cachorro do Supremo” e representa o “pior caráter” da Corte.

Entre as ameaças, Jefferson pontua que “o que é pessoal, pessoalmente se resolve e a vida vai nos colocar frente a frente para que pessoalmente nós possamos resolver esse problema, se Deus quiser”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar