CartaExpressa

Já ministro de Bolsonaro, Moro pediu favores à Lava Jato

Mensagem foi direcionada ao procurador Deltan Dallagnol, então chefe da força-tarefa da operação

(Foto: Marcos Corrêa / PR)
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, ainda quando fazia parte do governo do presidente Jair Bolsonaro, solicitou informações sobre a relação entre o Brasil e outros países em acordos de cooperação internacional. A informação é do UOL.

O pedido de ajuda feito pelo ex-juiz foi direcionado ao procurador Deltan Dallagnol, então chefe da força-tarefa da Lava Jato.

No dia 20 de janeiro de 2019, às 22h23, Deltan encaminhou uma mensagem atribuída ao ex-juiz ao grupo de procuradores no Telegram.

“Moro: ‘Estarei em Davos na semana, pode me dizer sucintamente com quais países ainda temos dificuldade com cooperação, Hong Kong por exemplo forneceu aquelas provas?’. Vc descobre e me passa por favor?”

A prática não é ilegal, mas é condenada por juristas.

“O ministro da Justiça só pode utilizar informações obtidas através dos órgãos oficiais. Não pode ter uma conversa escusa com quem não pertence à estrutura do ministério. E muito menos com um procurador. O que o Moro pretendia era obter informações por baixo do pano. O correto seria procurar o DRCI ou a PGR”, disse José Carlos Dias, que foi ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso, ao portal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.