CartaExpressa,Política

Irmão de Luís Miranda diz que levou detalhes da Covaxin a Bolsonaro e confirma pressão

Irmão de Luís Miranda diz que levou detalhes da Covaxin a Bolsonaro e confirma pressão

O chefe de importação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, e o deputado Luis Miranda (DEM-DF). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O chefe de importação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, e o deputado Luis Miranda (DEM-DF). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O servidor Luís Ricardo Miranda, do Ministério da Saúde, reforçou em depoimento à Polícia Federal que recebeu pressão de seus superiores para autorizar a importação da vacina Covaxin, negociada pelo governo de Jair Bolsonaro com uma intermediária, a Precisa Medicamentos.

Ele é irmão do deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), com quem disse ter levado os indícios de fraude no contrato do imunizante a Bolsonaro. À PF, o servidor afirmou em 14 de julho que apresentou ao presidente os nomes de funcionários responsáveis pela pressão e uma cópia do contrato, segundo o jornal O Globo.

Luís Ricardo Miranda disse que a pressão recebida por ele se dava por meio de “insistentes” telefonemas ou mensagens de Alex Lial Marinho, então coordenador-geral da área de Logística da Saúde; Roberto Ferreira Dias, então diretor do Departamento de Logística; e uma pessoa identificada como “Coronel Pires”, que seria assessor da secretaria-executiva do ministério.

Conforme o depoimento do servidor, obtido pelo jornal, “o presidente da República ouviu o relato, leu algo nos documentos apresentados e fez anotações”.

“O presidente da República disse que ao término da reunião iria ligar para o DG (diretor-geral) da Polícia Federal para investigar”, afirmou ainda Miranda.

Bolsonaro, porém, não encaminhou à época as denúncias à PF. Por isso, o presidente se tornou alvo de uma investigação de possível crime de prevaricação. O inquérito, aberto pela PF em 12 de julho, foi autorizado pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem