CartaExpressa

Intelectuais escrevem ‘carta aberta à humanidade’ contra Bolsonaro

Intelectuais escrevem ‘carta aberta à humanidade’ contra Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

Chico Buarque, Leonardo Boff, Júlio Lancellotti e Zélia Duncan assinam o manifesto “Carta aberta à humanidade” onde pedem que o Supremo Tribunal Federal (STF), a OAB e o Congresso Nacional intervenham e deem um fim às políticas genocidas do governo de Jair Bolsonaro.

No texto, que já conta outras adesões de peso, afirmam que o Brasil se tornou uma “câmara de gás a céu aberto”. “Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo”.

Eles também afirmam que “o monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global”.

Na última sexta-feira, 5, o País completou sete dias seguidos de recordes na média móvel de óbitos pela doença.

O documento ainda conta com a adesão de centrais sindicais, como Central Única dos Trabalhadores, Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, Nova Central Sindical de Trabalhadores, Central dos Sindicatos Brasileiros, Central Geral de Trabalhadores do Brasil, Central do Servidor e CSP-CONLUTAS.

 

 

 

Leia a carta na íntegra:

 

“Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança.”
Hanna Arendt

O Brasil grita por socorro.

Brasileiras e brasileiros comprometidos com a vida estão reféns do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil, junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista.

Esse homem sem humanidade nega a ciência, a vida, a proteção ao meio-ambiente e a compaixão. O ódio ao outro é sua razão no exercício do poder.

O Brasil hoje sofre com o intencional colapso do sistema de saúde. O descaso com a vacinação e as medidas básicas de prevenção, o estímulo à aglomeração e à quebra do confinamento, aliados à total ausência de uma política sanitária, criam o ambiente ideal para novas mutações do vírus e colocam em risco toda a humanidade.

Assistimos horrorizados ao extermínio sistemático de nossa população, sobretudo dos pobres, quilombolas e indígenas.

Nos tornamos uma “câmara de gás” a céu aberto. O monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global.

Apelamos às instâncias nacionais – STF, OAB, Congresso Nacional, CNBB – e às Nações Unidas. Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.

Vida acima de tudo!”

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem