CartaExpressa

Insistência de Bolsonaro na cloroquina fez Teich pedir demissão

‘Sem liberdade para conduzir o ministério de acordo com as minhas convicções, optei por deixar o cargo’, afirmou o ex-titular da pasta

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou, nesta quarta-feira 5 durante depoimento na CPI da Covid no Senado, que não sabia da produção de cloroquina pelos laboratórios do Exército.

“Se tivesse sabido [da distribuição de cloroquina], não deixaria acontecer”, declarou Teich em resposta ao relator Renan Calheiros (MDB-AL).

O ex-titular da pasta também justificou o seu pedido de demissão do Ministério.

“O problema pontual era a questão da cloroquina”, disse. “Sem liberdade para conduzir o ministério de acordo com as minhas convicções, optei por deixar o cargo”.

Assista o depoimento ao vivo:

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.