CartaExpressa

IBGE apresenta novo mapa-múndi oficial, com o Brasil centralizado

O modelo deve ser usado em todos os prédios públicos e militares do país

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Marcio Pochmann, anunciou, na última quinta-feira 11, que o órgão vai usar um novo mapa-múndi. O novo modelo deve ser usado em todos os prédios públicos e militares do país.

À diferença das imagens tradicionais, que costumam colocar o que se convenciona chamar de Norte Global (especialmente a Europa) no centro do mapa, o modelo elaborado pelo IBGE, segundo Pochmann, pretende colocar o próprio Brasil ao centro.

Foto: Reprodução

“Produzido pelo IBGE e lançado pelo governo Lula, o novo mapa-múndi é como um símbolo nacional, a exemplo da Bandeira, do Hino, das Armas e do Selo. Protegidos por lei, o uso dos símbolos nacionais deve respeitar padrões de impressão e apresentação por respeito à identidade pátria”, disse o presidente do IBGE em postagem na rede X. 

Ele também confirmou que o presidente Lula (PT) foi o primeiro a receber o novo mapa, e que o modelo deve ser usado em todos os prédios públicos e militares do país.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.