CartaExpressa

‘Hoje a gente descobre se o presidente é cúmplice ou honesto’

Luis Miranda exibiu na CPI da Covid mensagens trocadas com o irmão sobre possíveis irregularidades no ‘caso Covaxin’

Foto: Reprodução/TV Senado
Foto: Reprodução/TV Senado

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) exibiu, durante seu depoimento à CPI da Covid nesta sexta-feira 25, uma série de registros de conversas no WhatsApp com seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, sobre o ‘caso Covaxin’.

Luis Miranda relatou ter comunicado um auxiliar do presidente Jair Bolsonaro sobre possíveis irregularidades na negociação pela vacina indiana. Ao ajudante, pediu o agendamento de uma reunião com Bolsonaro.

“Hoje a gente descobre se o presidente é cúmplice ou honesto”, disse o deputado ao irmão em uma mensagem.

O servidor, então, disse ao irmão ter entrado em contato com um delegado a fim de revelar os indícios de irregularidades.

“Informa que você não pode fazer nada. Terá que prosseguir com o processo ou te exoneram. É a PF que tem que agir”, respondeu o deputado Luis Miranda.

Na sessão, o servidor Luis Ricardo Miranda também declarou que recebia ligações do empresário Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, que intermediou a compra da Covaxin. Maximiano é alvo da CPI e foi convocado para depor à comissão.

Assista à sessão ao vivo:

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!